Cordilheira de Cedarberg e Laguna de Langebaan, com águas rasa de um azul celeste

Situada cerca de 200 km ao norte da Cidade do Cabo, a cordilheira de Cedarbeg disputa com a Drakensberg o título de cadeia de montanhas mais conhecida da África do Sul.

Com vários picos com cerca de 2.000m de altura, a cordilheira é famosa por seus pontos de escalada e caminhada e pela profusão de pinturas rupestres – mais de 2 mil sítios arqueológicos contêm imagens que podem ter mais de 5 mil anos de idade.

A cordilheira foi batizada em homenagem ao cedro-de-canwilliam, mas hoje em dia poucas árvores adultas dessa espécie. O pico mais alto da cordilheira é a montanha da Nev também chamada de Sneeuberg, que em di, claros pode ser avistada do alto da montanha da Mesa.

Os terrenos mais altos da cordilheira abrigam uma espécie rara de flor, a prótea da espécie Cryophüla, que só cresce acima de uma fina camada de neve. Entre as curiosas formações rochosas existentes na área estão a Cruz Maltesa um pilar de pedra de 20m de altura, esculpido pelo vento no arenito e que se ergue como o punho de um gigante socando o ar – a Coluna de Wolfberg – também um pilar  de arenito – e as fendas de Wolfberg, com 30 m de altura.

Laguna de Langebaan

Localizada no litoral atlântico da África do Sul, apenas 100 km ao norte da Cidade do Cabo, a laguna de Langebaan é um prolongamento de 16 km da baía Saldanha. Suas águas rasas, de um azul-celeste, abrigam uma diversidade de peixes que, por sua vez, atraem gigantescos bandos de aves.

Ainda hoje, 200 anos depois, estima-se que mais de 100 mil pássaros possam ser vistos na laguna na primavera e no outono, quando aves migratórias, vindo de lugares longínquos como a Sibéria, a Groenlândia e o norte da Europa, visitam a região. Os pântanos salgados que margeiam a laguna, além de atraírem suas próprias espécies de pássaros, abrigam ainda plantas suculentas adaptadas ao ambiente.

Mas aves e flores não são as únicas formas de vida a habitar a laguna- Seres humanos ocupam a região praticamente desde o nascimento do homem moderno. Nas margens da laguna foram encontradas, preservadas em placas de arenito, pegadas humanas de 117 mil anos atrás, ou seja, do período em que se acredita que o homem moderno tenha se desenvolvido no sul da África.