A montanha fumegante e a ilha de Lesbos

A depressão Danakil é uma região de deserto alcalino onde a temperatura beira os 50°C durante o dia e a água é escassa. Em meio a uma paisagem entrecortada por desfiladeiros ficam cinco enormes vulcões – o mais simétrico deles é conhecido pelos nativos da tribo Afar como Erta Alé (“Montanha Fumegante”).

Cercando os vulcões existem campos de lava afiados e para além do arco de 80 km formado por eles há uma planície salina. A depressão já fez parte do mar Vermelho. Quando movimentos da crosta terrestre criaram os montes Danakil, a região ficou isolada do mar e a água evaporou, deixando uma camada de sal que, acredita-se, tem 3 km de profundidade.

O ponto mais bauco da região, 120 metros abaixo do nível do mar, é o Karum, um lago salgado com cerca de 72 km de largura que todos os anos se enche brevemente com as águas que descem das montanhas. À medida que a água se infiltra no solo, é aquecida pelas rochas derretidas que “vazam” do manto da Terra, dando origem a fontes termais.

O explorador britânico Ludovico Nesbitt e dois colegas italianos foram os primeiros europeus a visitar a região, em 1928. Nesbitt a chamou de “paisagem de medo, sofrimento e morte”.

Ilha de Lesbos

A ilha de Lesbos é a terceira maior da Grécia. Sua porção ocidental abriga uma floresta petrificada do fim do Período Oligoceno a meados do Mioceno. A intensa atividade vulcânica cobriu a floresta de cinzas, preservando-a, o que permitiu que água rica em sílica e em outros minerais penetrasse nas árvores e lentamente substituísse seu material orgânico, molécula por molécula. Esse processo vagaroso, livre da contaminação atmosférica, da ação de animais e de agentes decompositores, criou delicados fósseis silicificados, com todos os detalhes preservados, desde a estrutura até às células das árvores.

A preservação é tão completa que as espécies foram identificadas com exatidão. As pesquisas, iniciadas em 1844, revelaram que a floresta era subtropical – foram encontradas espécies que existem em lugares mais úmidos do que a ilha de Lesbos atual. Entre as presentes nos fósseis estão louros, árvores da família das caneleiras e sequoias: espécies só encontradas em regiões subtropicais da Ásia e das Américas.

Os troncos fossilizados estão protegidos por uma floresta viva. A região abriga vulcões atualmente inativos, criados por atritos tectônicos e cujos cones formam a cadeia de montanhas de Lesbos. É possível chegar à floresta petrificada a partir de Eressos, de Antissa e de Sigri, as três principais vilas da ilha.

Mais informações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *